Vítima

Vítima

Achei uns riscos na pintura do meu carro. Imediatamente fiquei triste e frustrado. Tentei lembrar por onde tinha passado recentemente com meu carro. Queria achar o culpado.

Falei sobre o assunto com várias pessoas e especialmente com a minha esposa Pamela. Recebi conforto e empatia de todos. Ainda assim queria achar a pessoa culpada. Não achei, mas cada vez que via os arranhões no carro ficava mais triste e frustrado. Comecei a pensar muito nas crianças hiperativas no meu prédio como a fonte do problema.

Uns dias depois abri a porta de trás do carro do lado onde estava danificado para colocar a minha mochila no banco de trás. Minha mochila é grande, pesada e tem um monte de zippers metálicos. Ao colocar rapidamente a mochila no carro ouvi um som de metal contra metal. Achei o culpado! Era eu!

Cada vez que colocava a mochila no carro com pressa, eu estava danificando a pintura.

Veio imediatamente para minha mente estas palavras de Jesus.

“Não julguem, para que vocês não sejam julgados. Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada para medir vocês.

Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão, e não se dá conta da viga que está em seu próprio olho? Como você pode dizer ao seu irmão: ‘Deixe-me tirar o cisco do seu olho’, quando há uma viga no seu? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão”. Mateus 7:1-5

O perigo de viver como vítima e com autopiedade é de não começar vendo a gente primeiro. Se não sabemos julgar a nós mesmos primeiro, certamente não somos competentes para julgar mais ninguém.

A relevância de Jesus é eterna e sempre surpreende.

Carlos McCord

Presidente do Ministério Permanecer

Deixe uma resposta